sábado, 7 de agosto de 2010

Navalha.

Sangue. Alma. Corroa, rasga, grita.
Entre os dedos, no banheiro, têmporas e pulsos.
Imperceptíveis.
Não conte a ninguém, é socialmente inaceitável que eu expresse minha dor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário